Orientação Farmacêutica

Dispensação e atenção

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a dispensação é o momento em que se deve assegurar que o medicamento seja entregue ao cliente na dose prescrita, quantidade adequada e que sejam fornecidas as informações suficientes para o uso correto. O momento da dispensação é, muitas vezes, o único contato que o cliente possui com os farmacêuticos e sua equipe. Portanto, é importante a realização da orientação farmacêutica, sempre levando em conta o atendimento humanizado.

Orientação farmacêutica

A orientação farmacêutica é um serviço imprescindível nas farmácias para assegurar o uso correto e racional dos medicamentos. Para realizá-lo é importante que se atenda o cliente com o máximo de privacidade possível, oferecendo conforto e acolhimento. É importante ainda buscar conhecer o porquê do cliente estar procurando aquele medicamento, sua inserção sociocultural e crenças que possui para então ajudá-lo a gerir de forma correta a farmacoterapia.

Em relação à pílula de emergência, a orientação farmacêutica é importante para garantir que todos, incluindo adolescentes e jovens, tenham informações e educação em sexualidade e saúde reprodutiva e acesso a meios e métodos que os auxiliem a evitar uma gravidez não prevista, respeitando a liberdade de escolha do indivíduo. Estas informações e o acesso a este método contraceptivo é um direito das pessoas e consta na Política de Planejamento Reprodutivo Brasileira (Lei n° 9.263, Manual Técnico de Assistência ao Planejamento Familiar de 2002, parte II).

Atenção farmacêutica

A dispensação do medicamento é um momento oportuno à contribuição do farmacêutico para o uso racional do medicamento, ou seja, quando o paciente recebe o medicamento apropriado à sua necessidade clínica, na dose e posologia corretas, por um período de tempo adequado e ao menor custo para si e para a comunidade. Atenção farmacêutica sugere a provisão responsável do tratamento farmacológico com o propósito de alcançar resultados concretos que melhorem a qualidade de vida do paciente. Sua intervenção eficaz na farmacoterapia, mesmo que seja apenas durante a dispensação, pode minimizar o surgimento de problemas relacionados aos medicamentos.

No caso da pílula de emergência, a orientação deve contemplar a complexidade de fatores que interagem nas relações afetivo-sexuais entre casais e orientações e aconselhamento para práticas sexuais seguras.

A intervenção dos profissionais da farmácia é determinante para promover o uso correto e racional da pílula de emergência. O ato da dispensa da pílula de emergência é uma ocasião singular que propicia o aconselhamento de métodos de contracepção seguros e efetivos, fique atento!

Se você quiser se informar melhor sobre o tema, listamos algumas fontes importantes!

ANGONESI, D.; SEVALHO, G. Atenção farmacêutica: fundamentação conceitual e crítica para um modelo brasileiro. Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, supl.3, p.3603-3614, 2010.

CORRER, C.J.; PANTAROLO, R.; RIBEIRO, A.S.C. A farmácia comunitária no Brasil. In: CORRER, C.J.; OTUKI, M.F.(Orgs.). A prática farmacêutica na farmácia comunitária. Porto Alegre: Artmed, 2013. p. 3-26.

HEPLER, C.D.; STRAND, L.M. Opportunities and responsibilities in pharmaceutical care. Am J. Hosp Pharm, 1990; 47: 533-54.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE (OPAS). Proposta: Consenso brasileiro de atenção farmacêutica. Atenção farmacêutica no Brasil: “trilhando caminhos”, Brasília: OPAS;2002.

PEREIRA, L.R.L.; FREITAS, O. A evolução da Atenção Farmacêutica e a perspectiva para o Brasil. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas vol. 44, n. 4, out./dez., 2008

Política Nacional de Medicamentos, MS, 2001

WHO: The Role of the pharmacist in the health care system, 1994.



Última atualização em 04/04/2016
© É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte.